© DR

D. José Cordeiro: “Quando se ama, queremos o maior bem comum”

D. José Cordeiro, Arcebispo Eleito de Braga, concedeu uma entrevista ao “Mensageiro de Bragança”, a primeira após a nomeação, onde faz o balanço de dez anos como Bispo da Diocese de Bragança-Miranda.

O Arcebispo refere uma “atitude de gratidão e memória” pelos dez anos ali vividos e explica que sempre procurou viver numa “atitude de dedicação, de humildade” e de (re)novação da Igreja local. O facto de ter sido o Bispo mais novo em Portugal fez D. José Cordeiro sentir “uma enorme responsabilidade” perante o “grande compromisso”, mas também “enorme confiança e coragem em Cristo”.

“Não é fácil ser bispo na própria Igreja onde crescemos, onde temos relações e convívios da infância, da adolescência, da juventude, mas é possível, confiando mais em Deus do que em nós próprios e, como dizia Fernando Pessoa, «a espantosa realidade das coisas é a minha descoberta de todos os dias»”, afirmou. 

Apesar de admitir que ainda há muito a fazer na Diocese de Bragança-Miranda, D. José Cordeiro recordou alguns dos processos que foram dinamizados ao longo de uma década, como a reorganização da Diocese em Unidades Pastorais. 

“Há muitos processos em curso. Como o Papa Francisco tem dito muitas vezes, isto não é para fazer coisas, realizar eventos, nem cumprir planos pastorais, mas é para dar início a processos. (…) Digo que há muito a fazer neste caminho sinodal mais comprometido, de maior participação, comunhão, missão”, explicou. 

D. José Cordeiro considera que “as paróquias são Diocese e é a Diocese que faz as paróquias” e acredita que é preciso “continuar a cimentar a comunhão presbiteral e a comunhão eclesial”.

“Temos de nos sentir todos como um povo santo de Deus e, aí, há muito para fazer. Não é a mudança de estruturas ou a mudança circunstancial que realiza a conversão. Neste muito a fazer está a conversão pessoal, a conversão pastoral, a conversão missionária e todos os desafios que Deus lançar à Diocese”, acrescentou.

Questionado sobre o “momento social difícil” em que Bragança-Miranda se encontrava quando a assumiu, o Arcebispo revelou que o maior desafio para todas as pessoas é sempre a “fidelidade ao Evangelho”.

“Um desafio grande foi, também, a passagem de 12 a quatro arciprestados. Talvez , até, no início, a medida mais difícil de ser tomada. Em relação às Unidades Pastorais, nem tanto, porque o estudo já estava feito. Foi depois um ano de estudo mais aprofundado e, depois, a sua aplicação. Começámos com 40 e, neste momento, temos 18. Quer dizer que houve aqui um caminho de maior consciencialização de unidade presbiteral e de unidade eclesial nas comunidades. Mas ainda há um longo caminho a percorrer”, afirmou.

Sobre a decisão que mais lhe terá custado tomar ao longo destes dez anos, D. José referiu a diminuição de arciprestados e “algumas dificuldades relacionadas com a parte administrativa, a resolução de alguns problemas e conflitos, que existem em toda a parte, até nas famílias”. No entanto, “tudo somado, é de acção de graças e muito positivo, porque as crises, as coisas difíceis, a cruz mais pesada, foi sempre uma cruz mais florida porque vivida com Cristo”.

“Quem não sofre, significa que não ama e, se sofre, é porque ama. Quem não ama, lamenta-se ou critica ou intriga. Mas quando se ama, queremos o maior bem comum. Tenho consciência que entreguei inteiramente a vida a Deus e a esta diocese nos anos que a servi no exercício deste ministério e estará sempre presente no meu coração e na minha história”, disse. 

Já o momento mais marcante terá sido a visita da Imagem Peregrina, que terá deixado o Arcebispo várias vezes comovido com as demonstrações de fé das comunidades. Também a presença do Mosteiro Trapista Santa Maria Mãe da Igreja foi outro dos marcos assinalados por D. José.

Dez anos depois de ter assumido a Diocese de Bragança-Miranda, D. José Cordeiro sente-se uma pessoa diferente e considera que é necessário encontrar, “como S. José e S. Bento, a coragem criativa, a humildade e a atitude correcta”. E sobre a nomeação como Arcebispo de Braga?

“A vida é feita de infinitos recomeços e, ao recomeçar, encaro com fé humilde. E na coragem, na confiança e na esperança de que Deus é maior e que tudo é dom da graça divina”, diz.

A entrevista pode ser lida aqui.

0 Shares
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You May Also Like

ArcebispoLetras Apostólicas

Francisco, Bispo, Servo dos Servos de Deus, Ao venerável irmão José Manuel Garcia Cordeiro, até ao momento Bispo…

ArcebispoGlossário

Todas as informações foram retiradas da Enciclopédia Católica Popular. Anel: O seu uso entrou na Igreja por tra­dição…

ArcebispoBiografia

D. José Manuel Garcia Cordeiro nasceu a 29 de Maio de 1967, em Vila Nova de Seles (Angola).…

ArcebispoArmas da Fé

Descrição Heráldica Escudo peninsular português redondo, mantelado em curva. O primeiro flanco de azul com uma estrela de…

ArcebispoSaudação

Com fé humilde aceito a missão que o Papa Francisco me confia para ser servidor do Evangelho da…