D. José Cordeiro define esperança como vocação da Igreja bracarense

D. José Cordeiro afirmou este Domingo que a esperança é a “vocação” da Igreja bracarense e o medo, por oposição, o “maior obstáculo da esperança”. Na primeira homilia como Arcebispo Primaz, na Sé Catedral de Braga, D. José referiu que a “Igreja sinodal samaritana não pode ser um slogan”, mas que é o “estilo essencial”.

O novo Arcebispo de Braga, que tomou posse no sábado, definiu a esperança como a “vocação” da Igreja bracarense e disse que a eucaristia é “a alegria e a esperança” da peregrinação católica, mas que isso não deve limitar os fiéis a “a celebrar a eucaristia nem só a acreditar e adorar a eucaristia, mas a ser eucaristia viva”, partindo do Domingo.

Na presença do Núncio Apostólico, D. Ivo Scapolo, dos cardeais, bispos e arcebispos de Portugal e Espanha e dos cabidos metropolitas de Braga e de Santiago de Compostela, o Arcebispo Primaz referiu que a “Igreja sinodal samaritana não pode ser um slogan, um evento ou um «fazer por fazer»”, e dispôs-se a servir o “Evangelho da Esperança” em proximidade “com Deus, com o sucessor de Pedro, com o colégio episcopal, com o presbitério e com o Povo santo de Deus, na compaixão e na ternura”.

A esperança, tema que percorre toda a homilia, acompanha também o revisitar das “raízes, história, trabalho e cansaços” de uma Igreja que, como diz o Papa Francisco, “habita sempre nas suas origens” para ser, diz D. José Cordeiro, “esperança do mundo”, convocando todos para “a missão do essencial ao serviço de todo o povo de Deus a nós confiado”.

Na eucaristia que marcou o início do ministério pastoral em Braga, o Arcebispo explicou que “só se evangeliza com o Evangelho” e que apenas quem assume ser “carente e pobre” pode ser “amigo dos pobres, reclusos, doentes, peregrinos, migrantes, refugiados, vulneráveis, indigentes e marginalizados nas periferias existenciais, sociais e geográficas”. Tudo para dizer que é preciso olhar “com olhos novos”, mais precisamente “os olhos de Jesus Cristo”.

D. José Cordeiro citou Fernando Pessoa para explicar que a realidade existe “antes das ideias e das ideologias”, e que incita a uma “coragem criativa, à confiança e à paciência para criar relação no encontro com os homens e as mulheres do nosso tempo”. Outra coragem, a da “alegria e da esperança”, é necessária para o “enorme trabalho interior a realizar para a simplicidade do coração”.

O Arcebispo Primaz pediu a toda a Arquidiocese que se deixe contagiar “pela imaginação e criatividade”, seguindo o estilo de Deus – que define como de “proximidade, compaixão e ternura” – e um “dinamismo pastoral” que exige uma conversão “pessoal, pastoral e missionária”. E foi essa conversão que o levou a citar o Papa Francisco para falar do sonho com uma “opção missionária capaz de transformar tudo”.

Afirmando a vontade de visitar as 552 paróquias, 14 arciprestados e os vários “serviços de proximidade” da Arquidiocese de Braga, D. José dirigiu-se ao clero diocesano presente na Sé para pedir ajuda aos “primeiros e indispensáveis colaboradores”, com quem quer “caminhar juntos para o futuro”, para ser “pai e pastor”, e deixou claro que “tudo na Igreja deve tornar visível e reconhecível o rosto de Cristo”.

A eucaristia solene de início do ministério pastoral de D. José Cordeiro contou com a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, da Ministra da Justiça e da Administração Interna, Francisca Van Dunem, dos presidentes de vários municípios do território da Arquidiocese de Braga e ainda outras autoridades civis e militares.

0 Shares
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You May Also Like

Sem categoriaDuc in Altum

Homilia de D. José Cordeiro na Catedral de Bragança, na Eucaristia de Acção de Graças pelo exercício do…